• Wandeth Gonzo

A História da Saúde Pública


O uso da quarentena como medida de saúde pública remonta ao século XIV, quando a Peste Negra devastou a Itália e o resto da Europa. Quarentena vem do italiano ‘quarantena’, que significa período de quarenta dias. Viajantes e mercadorias potencialmente expostos a doenças foram isolados por um período de tempo para garantir que não fossem infectados. Algumas cidades e vilas criariam um "cordão sanitário", uma barreira física que só poderia ser atravessada com permissão. Essa prática persistiu até o final do século 19 e início do século 20.


O pensamento sistemático sobre como estabelecer os determinantes da saúde e da doença não foi subitamente inventado por um único indivíduo. Evoluiu ao longo dos séculos. Pode-se ver faíscas de insight intermitentemente ao longo do tempo. Nos anos 1700 e 1800 pode-se ver tentativas de examinar as causas das doenças e a eficácia da prevenção e tratamento de forma sistemática.


Girolamo Fracastoro (1546): Girolamo Fracastoro (mostrado abaixo) foi um médico, poeta, astrônomo e geólogo italiano, que escreveu sobre 'sementes de doenças' transportadas pelo vento ou contato direto. Em essência, ele estava propondo a teoria dos germes da doença mais de 300 anos antes de sua articulação formal por Louis Pasteur e Robert Koch.


Em 1546, Fracastoro delineou seu conceito de doenças epidêmicas em "De contagione et contagiosis morbis" e especulou que cada doença era causada por um tipo diferente de 'semente' que se multiplicava rapidamente e que estas poderiam ser transmitidas por contato direto, pelo ar ou em roupas e lençóis contaminados. Especulação semelhante foi mencionada como uma possível causa de doença pelo estudioso romano Marcus Varro no século I aC.


Antigamente acreditava-se que as formas de vida podiam surgir espontaneamente. Larvas, vermes e crescimento bacteriano e fúngico podem ser encontrados "surgindo" de alimentos que foram deixados em repouso. Francesco Redi foi um médico, naturalista, biólogo e poeta italiano. Ele é referido como o "fundador da biologia experimental" e como o "pai da parasitologia moderna". Ele foi a primeira pessoa a desafiar a teoria da geração espontânea, demonstrando que as larvas vêm de ovos de moscas. Em 1699, Francesco Redi ferveu o caldo e o selou; nenhum crescimento ocorreu, sugerindo que Fracastoro estava correto.Girolamo Fracastoro (1546): Girolamo Fracastoro (mostrado abaixo) foi um médico, poeta, astrônomo e geólogo italiano, que escreveu sobre 'sementes de doenças' transportadas pelo vento ou contato direto. Em essência, ele estava propondo a teoria dos germes da doença mais de 300 anos antes de sua articulação formal por Louis Pasteur e Robert Koch.


Em 1546, Fracastoro delineou seu conceito de doenças epidêmicas em "De contagione et contagiosis morbis" e especulou que cada doença era causada por um tipo diferente de 'semente' que se multiplicava rapidamente e que estas poderiam ser transmitidas por contato direto, pelo ar ou em roupas e lençóis contaminados. Especulação semelhante foi mencionada como uma possível causa de doença pelo estudioso romano Marcus Varro no século I aC.


Antigamente acreditava-se que as formas de vida podiam surgir espontaneamente. Larvas, vermes e crescimento bacteriano e fúngico podem ser encontrados "surgindo" de alimentos que foram deixados em repouso. Francesco Redi foi um médico, naturalista, biólogo e poeta italiano. Ele é referido como o "fundador da biologia experimental" e como o "pai da parasitologia moderna". Ele foi a primeira pessoa a desafiar a teoria da geração espontânea, demonstrando que as larvas vêm de ovos de moscas. Em 1699, Francesco Redi ferveu o caldo e o selou; nenhum crescimento ocorreu, sugerindo que Fracastoro estava correto.


A partir de 1592, os funcionários da paróquia de Londres começaram a registrar as mortes. Em 1662, John Graunt, membro fundador da Royal Society de Londres, resumiu os dados desses "Bills of Mortality" em uma publicação intitulada "Natural and Political Observations Mentioned in a Following Index, and Made Upon the Bills of Mortality". Graunt analisou os dados extensivamente e fez várias observações sobre causas comuns de morte, taxas de mortalidade mais altas em homens, variação sazonal nas taxas de mortalidade e o fato de que algumas doenças tinham taxas de mortalidade relativamente constantes, enquanto outras variavam consideravelmente. Graunt também estimou a população tamanho e as taxas de crescimento populacional, e ele foi o primeiro a construir uma "tábua de vida" para abordar a questão da sobrevivência desde o nascimento.


Anton van Leeuwenhouk (1670): As realizações de Van Leeuwenhouk foram precedidas pelas de Robert Hooke, que publicou "Micrographia" em 1665. Hooke concebeu um microscópio composto e o usou para examinar e descrever a estrutura da natureza em um nível microscópico, incluindo insetos , penas e plantas. Na verdade, foi Hooke quem descobriu as células vegetais e cunhou o termo "células".


Anton van Leeuwenhoek da Holanda foi "o pai da microscopia". Ele começou como aprendiz em uma loja de produtos secos, onde lupas eram usadas para inspecionar a qualidade do tecido. Van Leeuwenhoek ficou fascinado pelas lentes e experimentou novos métodos para lixar e polir lentes mais potentes.


Ele foi capaz de alcançar ampliações de até 270x de diâmetro. Ele os usou para criar os primeiros microscópios úteis. Usando suas invenções, ele foi o primeiro a ver bactérias (1674), leveduras, protozoários, espermatozóides e glóbulos vermelhos.

John Pringle e "Jail Fever" (1740): John Pringle era um escocês que serviu como médico geral das forças britânicas durante a Guerra da Sucessão Austríaca (1740-1748). Em Londres tornou-se médico do Duque de Cumberland e do Rei George III. Pringle publicou "Observações sobre as Doenças do Exército" em 1752, nas quais propunha uma série de medidas destinadas a melhorar a saúde dos soldados, incluindo melhorias na ventilação hospitalar e saneamento do campo, drenagem adequada, latrinas adequadas e evitar pântanos.


Ele escreveu caro sobre a importância da higiene para prevenir o tifo ou "febre da prisão", que era uma doença comum entre soldados e prisioneiros nas prisões. Pringle acreditava incorretamente que o tifo era causado por sujeira. Na verdade, é causada por uma pequena bactéria (uma rickettsia). Os piolhos são vetores da doença; quando piolhos infectados defecam na pele de soldados ou prisioneiros infestados de piolhos, a bactéria pode entrar através de pequenos arranhões ou abrasões na pele. As bactérias então se multiplicam e causam uma doença febril grave que muitas vezes é fatal se não for tratada. Pringle também cunhou o termo 'influenza'.


François Broussais era um proeminente médico parisiense e um forte defensor da sangria com sanguessugas. Ele usou a sangria para tratar muitas doenças, incluindo a cólera. Acredita-se que seu uso vigoroso de sangria para tratar vítimas de uma epidemia de cólera em Paris contribuiu substancialmente para a taxa de mortalidade.


Pierre Louis foi contemporâneo de Broussais que acreditava no uso de métodos numéricos para avaliar o tratamento. Louis estudou sangria e achou ineficaz, mas muitos rejeitaram suas conclusões. A sangria era uma terapia praticada há séculos, embora nunca tivesse sido testada quanto à eficácia. Ele se tornou incorporado na prática médica.


Em muitos aspectos, a saúde pública como pensamos hoje (ou seja, em função de um bom governo) tomou forma em Londres e Paris na esteira das consequências devastadoras para a saúde da Revolução Industrial. No entanto, as circunstâncias que impulsionaram o desenvolvimento da saúde pública como disciplina são mais complexas, com muitos fatores contribuintes. Primeiro, havia a noção da importância da monarquia e do poder do Estado. A influência e o poder do Estado podem ser avaliados de várias maneiras, incluindo comércio e comércio, mas também pelo tamanho da população e pela saúde e aptidão da população trabalhadora.


Essa noção grosseira tornou o trabalho de John Graunt bastante atraente, e a importância atribuída à "numeração das pessoas" cresceu. Não surpreendentemente, o General Registrar's Office foi estabelecido em 1837 para registrar o registro obrigatório de nascimentos, óbitos e casamentos na Inglaterra e no País de Gales. Dr. William Farr (abaixo) foi nomeado Chefe Estatístico; Farr havia treinado na Royal Academy of Medicine em Paris. A Conservatória do Registo Geral estabeleceu a importância da vigilância em matéria de saúde.


Um segundo fator foi o surgimento do Iluminismo no século 18, que abraçou a democracia, a cidadania, a razão, a racionalidade e o valor social da inteligência (o valor da coleta de informações). Essas ideias forneceram bases importantes para a saúde pública. No início de 1800, Jeremy Bentham e seus discípulos (os radicais teóricos) desenvolveram a filosofia do utilitarismo que forneceu uma base teórica para a política de saúde e políticas sociais mais amplas. Um tema era que a redução da mortalidade e melhorias na saúde tinham um valor econômico para a sociedade. Trabalhadores saudáveis ​​foram mais capazes de contribuir para a economia do estado. Implícita no utilitarismo estava a noção de que se poderia medir o "mal" pelo grau de miséria que foi criado (ou aliviado) por uma ação específica. Para Bentham, o bem-estar dos ricos e dos pobres poderia ser alcançado com mais eficiência com um bom governo.


Ainda outro fator foi o reconhecimento de que a saúde precária era um fardo que recaía desproporcionalmente sobre os pobres. Villerme, um médico de Paris, havia notado que as taxas de mortalidade variavam muito entre os distritos (arrondissement) de Paris. Ele tentou correlacionar a mortalidade com a distância do arrondissement ao rio Sena, a relação das ruas com os ventos predominantes, a fonte de água do arrondissement e fatores climatológicos locais, como tipo de solo, exposição ao sol, elevação e inclinação do arrondissement. Nenhuma dessas coisas se correlacionava. No entanto, quando utilizou alíquotas de impostos como indicador de riqueza, Villerme encontrou uma correlação marcante com as taxas de mortalidade.


Em 1842, Sir Edwin Chadwick, um reformador social, publicou um relatório intitulado "Relatório sobre as condições sanitárias da população trabalhadora da Grã-Bretanha", provando que a expectativa de vida era muito menor nas cidades do que no campo.


Chadwick argumentou que era possível para o governo melhorar a vida das pessoas por meio de reformas; ele acreditava que uma população mais saudável seria capaz de trabalhar mais e custaria menos para sustentar. Ele concluiu que o que realmente era necessário não era mais médicos, mas engenheiros civis para fazer a drenagem das ruas e criar formas mais eficientes de fornecer água potável e remover esgoto e outras substâncias nocivas. Todos esses desenvolvimentos sociais, econômicos, políticos e filosóficos contribuíram para a ideia emergente de que a saúde pública era um interesse legítimo do governo.


É interessante notar que muitos dos proponentes da "Ideia Sanitária", incluindo Edwin Chadwick (mostrado à direita), eram "miasmáticos" que se agarravam à crença de que a doença era causada pela respiração de vapores fétidos. Como o esgoto e o lixo cheiravam mal, estavam associados a doenças, então os miasmáticos pressionaram para limpar o meio ambiente. E apesar do fato de que sua crença em miasmas se provou incorreta, o resultado final foi que muitas das fontes de doenças infecciosas foram removidas. Chadwick foi fundamental na criação de uma administração central de saúde pública que abriu caminho para drenagem, esgotos, coleta de lixo, regulamentação de moradias e regulamentações sobre incômodos e comércios ofensivos. Essa "ideia sanitária" resultou em melhorias notáveis ​​na saúde e no bem-estar, conforme ilustrado no gráfico abaixo, que mostra um declínio notável na mortalidade por tuberculose de meados do século XIX até meados do século XX.

O relatório de Chadwick forneceu impulso para o estabelecimento de uma série de sociedades e grupos de pressão compostos por políticos, funcionários públicos e reformadores sociais que fizeram lobby no parlamento. Entre outros, estes incluíram:

A Associação de Saúde das Cidades, 1844

A Associação Metropolitana para Melhorar as Habitações das Classes Industriais

A Associação para Melhorar a Limpeza entre os Pobres e outros.


Por meio de seus esforços, uma legislação histórica foi aprovada, incluindo:

  • 1846 Foi aprovada a Lei de Remoção de Incômodos, dando aos juízes locais o poder de processar e multar os proprietários por infrações relacionadas ao saneamento (casas precárias, lixo, fossas e esgotos defeituosos).

  • 1848 A Lei de Saúde Pública criou um Conselho Geral de Saúde em Londres que poderia direcionar as localidades para criar conselhos locais com poderes para lidar com a sujeira ambiental.

  • Na década de 1850, foi formada a Epidemiologic Society of London, composta por médicos locais, ex-comandantes militares e funcionários públicos que apresentaram trabalhos relacionados a questões de saúde pública.

  • 1853: John Snow apresentou "A mortalidade comparativa de cidades e distritos rurais e as causas pelas ela influenciada". Essa interseção de estatística, filosofia e economia desencadeou uma nova agenda para uma reforma social.


Esses esforços tiveram um impacto enorme. O gráfico abaixo mostra o notável declínio na mortalidade por tuberculose no Reino Unido de 1850 a 1960. Acredita-se que o notável declínio na mortalidade por tuberculose e outras doenças infecciosas tenha sido o resultado de muitas melhorias ambientais que ocorreram como resultado da implementação da "Ideia Sanitária". Observe o aumento temporário nas taxas de mortalidade por tuberculose durante a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, quando a nutrição sofreu e muitos foram forçados a viver em quartos apertados e mal ventilados.


Louis Pasteur (final de 1800): Louis Pasteur foi um biólogo e químico francês que fez enormes contribuições à teoria dos germes, à prevenção da deterioração de alimentos e ao controle de doenças. Em 1853 Pasteur começou a estudar a fermentação do vinho e da cerveja e rapidamente concluiu que os microrganismos eram os responsáveis. Ele também descobriu que os micróbios no leite podem ser mortos por aquecimento a cerca de 130 graus Fahrenheit, um processo que agora é conhecido como 'pasteurização'. Ele descobriu que alguns microrganismos requerem oxigênio (organismos aeróbicos), enquanto outros se reproduzem na ausência de oxigênio (anaeróbicos).


Pasteur foi pioneiro na ideia de gerar artificialmente microorganismos enfraquecidos como vacinas. O trabalho de Edward Jenner demonstrou o princípio com a varíola bovina natural, que poderia ser usada para vacinar contra a varíola. Pasteur foi capaz de enfraquecer artificialmente cepas de antraz e cólera para gerar vacinas. Foi, de fato, Pasteur quem cunhou o termo "vacina" em homenagem à descoberta de Jenner. Pasteur desenvolveu vacinas contra antraz em ovelhas e cólera em galinhas. Em 1885 ele desenvolveu uma vacina contra a raiva cultivando-a em coelhos e depois secando o tecido nervoso que havia sido infectado com o vírus. Esta vacina foi usada com sucesso para salvar a vida de um menino que havia sido mordido por um cão raivoso.


Os eventos nos EUA foram paralelos aos do Reino Unido. Os EUA também passaram por uma rápida transição de uma sociedade rural e agrícola para uma sociedade intensamente urbana e industrial. Invenções como o descaroçador de algodão que promoviam a produção agrícola, mas também diminuíam a necessidade de trabalhadores agrícolas, levando muitos a trabalhar nas cidades. O crescimento econômico e as invenções geraram fábricas e fábricas têxteis nas cidades americanas.


Recursos :


1. Histórico dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças

2. Funções Centrais da Saúde Pública

3. Museu de Saúde Pública em Massachusetts

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo