• Wandeth Gonzo

A Peste Bubônica

Atualizado: 5 de out.


A peste bubônica é uma doença infecciosa aguda causada pela bactéria Yersinia pestis. As bactérias vivem nos intestinos das pulgas e são transmitidas aos ratos por picadas de pulgas. Os ratos, portanto, servem como reservatório natural da doença, e as pulgas são os vetores. Ocasionalmente, uma pulga infectada pulava para um humano e introduzia a bactéria quando uma refeição de sangue era feita. A bactéria então se espalharia para os linfonodos regionais e se multiplicaria, causando nódulos escuros, sensíveis e inchados (bubões), como mostrado abaixo em um menino, um inchaço do tamanho de uma noz na parte interna da parte superior da coxa. À medida que a infecção se espalhava, a vítima experimentava dor de cabeça, febre alta, delírio e, finalmente, morte em cerca de 60% dos casos.

A partir de 1347, a Europa experimentou várias ondas de epidemias de peste bubônica que duraram até o final de 1700. Acredita-se que a peste bubônica se originou na Ásia e viajou ao longo das rotas comerciais para o Mar Negro e depois para o Mar Mediterrâneo. De lá, varreu a Sicília e a Itália e depois a França e os países do norte da Europa até a Escandinávia. Houve muitas ondas subsequentes de peste que varreram a Europa até o final dos anos 1700.

Causa da peste e estratégias de prevenção A causa da peste não era conhecida, mas havia muitas teorias. A explicação mais popular era que era causada por "miasmas", vapores invisíveis que emanavam de pântanos ou fossas e flutuavam no ar, onde podiam ser inalados. Outros pensavam que se espalhava por contato de pessoa para pessoa, ou talvez por exposição excessiva ao sol, ou por envenenamento intencional. A teoria do miasma foi a mais popular, no entanto. Um dos papas mantinha grandes fogueiras acesas nas duas extremidades da sala em que trabalhava para neutralizar os miasmas.

Havia também remédios toscos que eram inventados para prevenir ou curar a peste bubônica; um deles era conhecido como theriac. É claro que fumaça e ervas aromáticas e theriac eram ineficazes, porque a peste se espalhava principalmente por picadas de pulgas (embora às vezes as vítimas desenvolvessem uma pneumonia da peste que as fazia tossir um aerossol sangrento e cheio de peste que poderia ser transmitido a outras pessoas por inalação ; esta era a forma 'pneumônica' da peste).

Embora a maioria acreditasse que a peste era causada por miasmas, o principal modo de transmissão era, na verdade, por picadas de pulgas e, em certo sentido, as causas reais eram o aumento da densidade populacional e a falta de descarte de lixo. Acumulações de lixo atraíram ratos e permitiram que a população de ratos explodisse. Os ratos abrigaram pulgas e Yersinia pestis por muitos anos sem grandes dificuldades, e epidemias de peste em humanos não ocorreram até que os comportamentos humanos criassem ambientes que aproximassem as pessoas de ratos, pulgas e Yersina pestis. Estas foram as verdadeiras causas das epidemias de peste.

À primeira vista, pode-se culpar a falta de compreensão sobre a transmissão e as medidas preventivas ineficazes no nível primitivo da compreensão científica. No entanto, a incapacidade de identificar a causa e a incapacidade de identificar medidas de controle eficazes não se deveu à falta de tecnologia sofisticada. Em vez disso, foi principalmente devido ao fato de que os humanos ainda não haviam desenvolvido uma maneira estruturada de pensar sobre os determinantes da doença. Certamente havia teorias de como a peste se espalhou e isso levou a estratégias preventivas, mas nenhuma das teorias ou estratégias preventivas ou tratamentos foram testados pela coleta de observações em grupos de pessoas. A ideia de estudar grupos de pessoas para testar associações entre "fatores de risco" e desfechos de doenças ainda não havia evoluído.

Conceito-chave: A falta de uma forma sistemática de testar possíveis associações entre exposições e desfechos ("fatores de risco" e doença) foi o principal fator que impediu avanços na compreensão das causas da doença e no desenvolvimento de estratégias eficazes para prevenir ou tratar a doença.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo