• Wandeth Gonzo

Conscientização do Câncer Cervical

Atualizado: 28 de mai.



O que é câncer cervical?

O câncer cervical é um tipo de câncer que ocorre nas células do colo do útero. O colo do útero é a parte inferior do útero que se conecta à vagina e invade outros tecidos e órgãos do corpo. Quando o câncer cervical é invasivo, ele afeta os tecidos mais profundos do colo do útero e outras partes do corpo, principalmente:

- os pulmões

- o fígado

- a bexiga

- a vagina

- o reto

O que causa câncer cervical?

Várias cepas do papilomavírus humano (HPV), uma infecção sexualmente transmissível, desempenham um papel na causa da maioria do câncer cervical. Quando exposta ao HPV, o sistema imunológico da mulher normalmente impede que o vírus cause danos. Em um pequeno grupo de mulheres, no entanto, o vírus sobrevive por anos, contribuindo para o processo que faz com que algumas células da superfície do colo do útero se tornem células cancerosas. Você pode reduzir o risco de desenvolver câncer do colo do útero fazendo testes de rastreamento e recebendo uma vacina que protege contra a infecção por HPV.

Exames e testes de câncer cervical

Como acontece com todos os tipos de câncer, o diagnóstico precoce do câncer cervical é a chave para o sucesso do tratamento e da cura. O tratamento de alterações pré-cancerosas que afetam apenas a superfície de uma pequena parte do colo do útero tem muito mais probabilidade de ser bem-sucedido do que o tratamento do câncer invasivo que afeta uma grande parte do colo do útero e se espalhou para outros tecidos. O progresso mais importante que foi feito na detecção precoce do câncer cervical é o uso generalizado do teste de Papanicolaou (esfregaço de Papanicolaou) e do teste de HPV de alto risco.

O teste de Papanicolaou é feito como parte de um exame regular. Durante o procedimento, as células da superfície do colo do útero são coletadas e examinadas em busca de anormalidades. O diagnóstico do câncer cervical requer que uma amostra do tecido cervical (chamada biópsia) seja coletada e analisada ao microscópio. Isso seria feito se o esfregaço de Papanicolau fosse anormal.

A colposcopia é um procedimento semelhante a um exame pélvico. Geralmente é usado para pacientes que apresentaram resultado anormal do exame de Papanicolaou, mas com exame físico normal. O exame usa um tipo de microscópio chamado colposcópio para inspecionar o colo do útero. Toda a área do colo do útero é manchada com um corante inofensivo ou ácido acético para facilitar a visualização das células anormais. Essas áreas são então biopsiadas. O colposcópio amplia o colo do útero em oito a 15 vezes (depende do colposcópio), permitindo a identificação mais fácil de qualquer tecido de aparência anormal que possa precisar de biópsia. Esse procedimento geralmente pode ser feito no consultório do seu ginecologista. Se uma biópsia sob colposcopia sugerir um câncer invasivo, uma biópsia maior é necessária para avaliar completamente sua condição. O tratamento dependerá do estágio do câncer.

Radiação interna ou de implante: A radiação interna ou de implante provém de uma cápsula contendo material radioativo que é colocada diretamente no colo do útero. O implante coloca raios matadores de câncer perto do tumor, poupando a maior parte do tecido saudável ao seu redor.

Radioterapia: A radioterapia (ou radioterapia) também é usada para tratar o câncer cervical em alguns estágios. A radioterapia usa raios de alta energia para danificar as células cancerosas e interromper seu crescimento. Como a cirurgia, a radioterapia é uma terapia local; a radiação afeta as células cancerosas apenas na área tratada. A radiação pode ser aplicada externamente ou internamente. Algumas mulheres recebem os dois tipos. A radiação externa vem de uma grande máquina, que direciona um feixe de radiação para a sua pelve. Os tratamentos, que duram apenas alguns minutos, geralmente são administrados cinco dias por semana, durante cinco a seis semanas. Ao final desse período, uma dose extra de radiação chamada "reforço" pode ser aplicada ao local do tumor. Por questões de segurança e despesas com equipamentos, a radioterapia geralmente é oferecida apenas em alguns grandes centros médicos ou hospitais.

Quimioterapia: a quimioterapia é o uso de drogas poderosas para matar as células cancerosas. No câncer cervical, é usado com mais frequência quando o câncer está localmente avançado ou se espalhou para outras partes do corpo. Apenas um medicamento ou uma combinação de medicamentos pode ser administrado. Os medicamentos anticâncer usados ​​para tratar o câncer cervical podem ser administrados por via intravenosa ou por via oral. De qualquer forma, a quimioterapia é um tratamento sistêmico, o que significa que os medicamentos fluem através do corpo na corrente sanguínea. Eles podem matar células cancerosas em qualquer parte do corpo. A quimioterapia é administrada em ciclos: cada ciclo compreende um período de tratamento intensivo seguido de um período de recuperação. O tratamento geralmente consiste em vários ciclos. A maioria dos pacientes faz quimioterapia em regime ambulatorial (em um ambulatório do hospital, no consultório médico ou em casa). Dependendo de quais medicamentos são administrados e de seu estado geral de saúde, no entanto, pode ser necessário permanecer no hospital durante o tratamento.

Criocautério: O criocautério pode ser usado em alguns casos. Neste procedimento, um instrumento de aço é resfriado a temperaturas abaixo de zero por imersão em nitrogênio líquido ou um líquido semelhante. Este instrumento ultracoolado é então aplicado à superfície do colo do útero, congelando as células. Eles eventualmente morrem e são descartados, para serem substituídos por novas células cervicais. O tecido também pode ser removido por ablação a laser. Neste procedimento, um feixe de laser é aplicado a áreas específicas do tecido cervical ou a uma camada inteira de tecido na superfície do colo do útero. O laser destrói essas células, deixando células saudáveis ​​em seus lugares.

Quão rápido o câncer cervical pode se espalhar?

O câncer cervical tem crescimento lento, o que oferece oportunidades de prevenção, detecção precoce e tratamento. A maioria das mulheres com diagnóstico de alterações pré-cancerosas no colo do útero está na casa dos 20 e 30 anos, mas a idade média das mulheres, quando são diagnosticadas com câncer do colo do útero, está na casa dos 50 anos.

O câncer cervical começa quando células saudáveis ​​adquirem uma alteração genética (mutação) que faz com que se transformem em células anormais.

Células saudáveis ​​crescem e se multiplicam em uma determinada taxa, eventualmente morrendo em um determinado momento. As células cancerosas crescem e se multiplicam fora de controle e não morrem. As células anormais acumuladas formam uma massa (tumor). As células cancerosas invadem os tecidos próximos e podem se desprender de um tumor para se espalhar (metástase) em outras partes do corpo.

Não está claro o que causa o câncer cervical, mas é certo que o HPV desempenha um papel. O HPV é muito comum e a maioria das mulheres com o vírus nunca desenvolve câncer cervical. Isso significa que outros fatores - como seu ambiente ou suas escolhas de estilo de vida - também determinam se você desenvolverá câncer cervical.

Sintomas - O câncer cervical em estágio inicial geralmente não produz sinais ou sintomas. Os sinais e sintomas do câncer cervical mais avançado incluem:

Sangramento vaginal após a relação sexual, entre os períodos ou após a menopausa. Sangramento vaginal anormal (exceto durante a menstruação)

Corrimento vaginal aquoso e com sangue que pode ser pesado e ter um odor desagradável

Dor pélvica ou durante a relação sexual

Insuficiência renal devido a uma obstrução do trato urinário ou intestino, quando o câncer está avançado

Quando procurar atendimento médico - A gama de condições que podem causar sangramento vaginal é diversa e pode não estar relacionada ao câncer do colo do útero. Eles variam de acordo com sua idade, fertilidade e histórico médico.

O sangramento vaginal após a menopausa nunca é normal. Se você passou pela menopausa e tem sangramento vaginal, consulte seu médico o mais rápido possível.

O sangramento muito intenso durante a menstruação ou sangramento frequente entre as menstruações justifica a avaliação do seu médico.

O sangramento após a relação sexual, especialmente após sexo vigoroso, ocorre em algumas mulheres. Se isso ocorrer apenas ocasionalmente, provavelmente não é nada com que se preocupar. A avaliação por seu médico é aconselhável, especialmente se o sangramento ocorre repetidamente.

Se você tiver sangramento vaginal associado a fraqueza, sensação de desmaio ou tontura ou desmaio real, vá a um pronto-socorro para atendimento.

Tipos de câncer do colo do útero - O tipo de câncer do colo do útero que você tem ajuda a determinar seu prognóstico e tratamento. Os principais tipos de câncer cervical são:

Carcinoma de células escamosas. Este tipo de câncer cervical começa nas células finas e achatadas (células escamosas) que revestem a parte externa do colo do útero, que se projeta na vagina. A maioria dos cânceres cervicais são carcinomas de células escamosas.

Adenocarcinoma. Este tipo de câncer cervical começa nas células glandulares em forma de coluna que revestem o canal cervical. Às vezes, os dois tipos de células estão envolvidos no câncer cervical. Muito raramente, o câncer ocorre em outras células do colo do útero.

Os fatores de risco para câncer cervical incluem:

Muitos parceiros sexuais. Quanto maior o número de parceiros sexuais - e quanto maior o número de parceiros sexuais do seu parceiro - maior a chance de adquirir HPV.

Atividade sexual precoce. Fazer sexo desde cedo aumenta o risco de HPV.

Outras infecções sexualmente transmissíveis (IST). Ter outras DSTs - como clamídia, gonorreia, sífilis e HIV / AIDS - aumenta o risco de HPV.

Um sistema imunológico fraco. Você pode ter maior probabilidade de desenvolver câncer do colo do útero se seu sistema imunológico estiver enfraquecido por outro problema de saúde e você tiver HPV.

Fumando. Fumar está associado ao câncer cervical de células escamosas.

Grupos de apoio e aconselhamento para o câncer do colo do útero - Viver com o câncer do colo do útero apresenta muitos desafios novos para você, sua família e amigos.

Você provavelmente terá muitas preocupações sobre como o câncer afetará você e sua capacidade de "viver uma vida normal", isto é, cuidar de sua família e de sua casa, manter seu emprego e continuar as amizades e atividades de que gosta.

Muitas pessoas se sentem ansiosas e deprimidas. Algumas pessoas ficam com raiva e ressentidas; outros se sentem desamparados e derrotados.

Para a maioria das pessoas com câncer, falar sobre seus sentimentos e preocupações pode ajudar.

Seus amigos e familiares podem lhe dar muito apoio. Eles podem hesitar em oferecer apoio até que vejam como você está lidando com a situação. Não espere que eles falem sobre isso. Se você quiser falar sobre suas preocupações, diga a eles.

Algumas pessoas não querem "sobrecarregar" seus entes queridos ou preferem conversar sobre suas preocupações com um profissional mais neutro. Uma assistente social, conselheiro ou membro do clero pode ser útil se você quiser discutir seus sentimentos e preocupações sobre ter câncer. Seu ginecologista ou oncologista deve recomendar alguém.

Muitas pessoas com câncer são profundamente ajudadas conversando com outras pessoas que têm câncer. Compartilhar suas preocupações com outras pessoas que passaram pela mesma coisa pode ser extremamente reconfortante. Grupos de apoio para pessoas com câncer podem estar disponíveis no centro médico onde você está recebendo o tratamento. A American Cancer Society também tem informações sobre grupos de apoio em todos os EUA.

Perspectivas para câncer cervical:

Exames pélvicos regulares e esfregaços de Papanicolau são importantes para todas as mulheres. Esses testes não são menos importantes para uma mulher que foi tratada para alterações pré-cancerosas ou para câncer do colo do útero.

Os cuidados de acompanhamento devem incluir um exame pélvico completo, esfregaço de Papanicolaou e outros testes indicados em uma programação regular recomendada por seu ginecologista. Esses cuidados são necessários para permitir a detecção precoce caso o câncer retorne.

O tratamento do câncer cervical pode causar efeitos colaterais muitos anos depois. Por esse motivo, você deve continuar a fazer exames regulares e relatar qualquer problema de saúde que apareça.


Manter uma boa nutrição é uma das melhores coisas que você pode fazer. Você pode perder o apetite durante o tratamento do câncer cervical. Os efeitos colaterais comuns da quimioterapia incluem náuseas, vômitos e feridas dentro da boca.

No entanto, se você ingerir calorias e proteínas suficientes, manterá sua força e energia e tolerará melhor os efeitos colaterais do tratamento. Seu especialista em câncer (oncologista) ou ginecologista pode recomendar um nutricionista que pode fornecer sugestões para manter sua ingestão de calorias e proteínas.

As seguintes mudanças no estilo de vida podem ajudar a mantê-lo mais forte e mais confortável durante o tratamento:

Pratique atividades físicas leves para manter seu nível de energia. Certifique-se de que isso não o desgasta.

Descanse o suficiente à noite e tire cochilos, se necessário.

Parar de fumar.

Evite o álcool. Você pode não conseguir beber álcool com alguns dos medicamentos que está tomando. Certifique-se de perguntar ao seu médico.

Para o câncer cervical, a taxa de sobrevivência é próxima a 100% quando alterações pré-cancerosas ou cancerosas iniciais são encontradas e tratadas. O prognóstico do câncer cervical invasivo depende do estágio em que o câncer foi encontrado.

o estágio de um câncer é uma medida de quão longe ele progrediu, ou seja, quais outros órgãos ou tecidos foram invadidos.

Para o estágio inicial do câncer cervical - estágio 0 - mais de 90% das mulheres sobrevivem pelo menos cinco anos após o diagnóstico

Pacientes com câncer cervical em estágio I têm uma taxa de sobrevida em cinco anos de 80 a 93%.

Mulheres com câncer cervical em estágio II têm uma taxa de sobrevida em cinco anos de 58 a 63%.

A taxa de sobrevivência para mulheres com câncer cervical em estágio III é de 32 a 35%

Dezesseis por cento ou menos mulheres com câncer cervical em estágio IV sobrevivem cinco anos.

Os profissionais de saúde que tratam do câncer costumam usar o termo "remissão" em vez de "cura". Embora muitas mulheres com câncer cervical se recuperem completamente, os profissionais médicos às vezes evitam a palavra "cura", porque a doença pode recorrer.

Prevenção do câncer cervical - Para reduzir o risco de câncer cervical:

Vacine-se contra o HPV. A vacinação está disponível para meninas e mulheres de 9 a 26 anos. A vacina é mais eficaz se administrada a meninas antes de se tornarem sexualmente ativas.

Faça exames de Papanicolau de rotina. Os exames de Papanicolau podem detectar condições pré-cancerosas do colo do útero, portanto, podem ser monitorados ou tratados para prevenir o câncer do colo do útero. A maioria das organizações médicas sugere que as mulheres comecem os testes de Papanicolau de rotina aos 21 anos e os repitam a cada poucos anos.

Pratique sexo seguro. Usar preservativo, ter menos parceiros sexuais e adiar a relação sexual pode reduzir o risco de câncer cervical.

Não fume.

A chave para prevenir o câncer cervical invasivo é detectar quaisquer alterações celulares precocemente, antes que se tornem cancerosas. Exames pélvicos regulares e testes de Papanicolaou são a melhor maneira de fazer isso. A frequência com que você deve fazer um exame pélvico e Papanicolau depende da sua situação individual, mas aqui estão as diretrizes:

Certifique-se de fazer um teste de Papanicolaou para verificar se há câncer cervical a cada 3 anos se você tiver 21 anos ou mais.

Se você tem entre 30 e 65 anos, pode fazer o exame de Papanicolaou e o teste do papilomavírus humano (HPV) a cada 5 anos. Mais velho do que isso, você pode ser capaz de interromper o teste se o seu médico disser que você tem baixo risco.

Mulheres de qualquer idade que fizeram histerectomia com remoção do colo do útero e sem histórico de câncer cervical ou pré-câncer não precisam ser rastreadas, de acordo com as diretrizes.

Se você é sexualmente ativo e tem um risco maior de DSTs, faça exames para clamídia, gonorreia e sífilis anualmente. Faça um teste de HIV pelo menos uma vez, com mais frequência se você estiver em risco.