• Wandeth Gonzo

Henrietta Lacks

Atualizado: 8 de fev.



Em 1951, uma jovem mãe de cinco filhos chamada Henrietta Lacks visitou o Hospital Johns Hopkins queixando-se de sangramento vaginal. Após exame, o renomado ginecologista Dr. Howard Jones descobriu um grande tumor maligno em seu colo do útero. Na época, o Hospital Johns Hopkins era um dos poucos hospitais que tratava de afro-americanos pobres. Em 1951, uma jovem mãe de cinco filhos chamada Henrietta Lacks visitou o Hospital Johns Hopkins queixando-se de sangramento vaginal. Após exame, o renomado ginecologista Dr. Howard Jones descobriu um grande tumor maligno em seu colo do útero. Na época, o Hospital Johns Hopkins era um dos poucos hospitais a tratar afro-americanos pobres.



Como mostram os registros médicos, a Sra. Lacks começou a se submeter a tratamentos de rádio para seu câncer cervical. Esse era o melhor tratamento médico disponível na época para essa terrível doença. Uma amostra de suas células cancerosas recuperada durante uma biópsia foi enviada para o laboratório de tecidos próximo ao Dr. George Gey. Durante anos, o Dr. Gey, um proeminente pesquisador de câncer e vírus, colecionou células de todos os pacientes - independentemente de sua raça ou status socioeconômico - que vieram ao Hospital Johns Hopkins com câncer cervical, mas cada amostra morreu rapidamente no hospital do Dr. Gey laboratório. O que o Dr. Gey logo descobriria era que as células da Sra. Lacks eram diferentes de qualquer outra que ele já tinha visto: onde outras células morriam, as células da Sra. Lacks dobravam a cada 20 a 24 horas.


Hoje, essas células incríveis - apelidadas de células "HeLa", a partir das duas primeiras letras de seus nomes e sobrenomes - são usadas para estudar os efeitos de toxinas, drogas, hormônios e vírus no crescimento de células cancerosas sem fazer experimentos em humanos. Eles têm sido usados ​​para testar os efeitos da radiação e venenos, para estudar o genoma humano, para aprender mais sobre como os vírus funcionam e desempenhar um papel crucial no desenvolvimento das vacinas de poliomielite e COVID-19.


Embora a Sra. Lacks tenha falecido em 4 de outubro de 1951, aos 31 anos de idade, suas células continuam a impactar o mundo.



Recursos:


1. Butanis, B. (2021, November 8). The legacy of henrietta lacks. Johns Hopkins Medicine, based in Baltimore, Maryland. Retrieved November 23, 2021, from https://www.hopkinsmedicine.org/henriettalacks/.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo