Zika vírus no Brasil

Atualizado: 24 de jul.





O vírus Zika é transmitido por mosquitos infectados e pode ser transmitido pelo sêmen. Um professor MD de medicina preventiva na Faculdade de Medicina da Universidade Vanderbilt, William Schaffer, disse o seguinte à revista Cosmopolitan:


"Se uma mulher estiver infectada, o corpo eliminará o vírus em 10 dias." O artigo também menciona que o vírus Zika pode infectar o sêmen de um homem por até 62 dias. No entanto, oitenta por cento dos infectados são assintomáticos.

Há mais de 4.000 casos do vírus Zika entre recém-nascidos no Brasil desde outubro de 2015. O Ministério da Saúde do Brasil propôs que as mulheres tentem se abster de engravidar pelo menos até que se saiba mais sobre a epidemia de Zika, ou até que ela conceda. Coincidentemente, em Brasília, capital do Brasil, não houve nenhum caso de recém-nascidos com o vírus Zika. Aparentemente, a epidemia é desenfreada entre a população de mulheres jovens no Brasil que são afrodescendentes (afro-brasileiras) que vivem nas regiões menos desenvolvidas do país. Com isso dito, o vírus Zika parece ser uma consequência das desigualdades socioeconômicas da sociedade brasileira. As mulheres de alto risco tendem a não ter acesso a cuidados de saúde reprodutiva e vivem em locais onde os mosquitos são abundantes, tornando mais fácil contrair doenças transmitidas por mosquitos, como dengue e chikungunya.


No Brasil, os locais que estão impregnados de mosquitos incluem habitações lotadas e/ou de baixa qualidade, onde a água estagnada pode ser encontrada em todos os lugares. O terreno fértil para mosquitos transmissores de doenças são lugares com água estagnada, que geralmente são locais abaixo do padrão no país tropical do Brasil. Muitas mulheres têm que trabalhar longas horas ao ar livre, fazer recados e cuidar de seus filhos e não podem evitar ser picadas por mosquitos (e a temperatura tropical não facilita a escolha de sair ou ficar dentro de casa).

A epidemia de Zika chamou a atenção para as desigualdades dos direitos reprodutivos. Em 2010, uma pesquisa nacional que descobriu que aos 40 anos, uma em cada cinco mulheres brasileiras fez pelo menos um aborto, o que significa que mais de 5 milhões de mulheres deveriam ter ido para a prisão. Claro, muitos desses abortos eram ilegais e realizados em ambientes insalubres. Pode-se ver como o aborto é outra variável na desigualdade econômica do Brasil. Mulheres ricas podem pagar para garantir abortos seguros, enquanto a maioria das mulheres não pode. Assim, as mulheres são forçadas a carregar suas gravidezes com estigma e medo. Muitas comunidades de saúde pública não realizam exames de sangue que detectam ou diagnosticam com eficiência defeitos congênitos, uma amplificação dos danos causados ​​pela negligência do governo.

As mulheres que têm um estatuto socioeconómico inferior e que são responsáveis ​​pelo cuidado dos filhos, cuidadores de crianças deficientes, dependentes e mulheres que são trabalhadoras domésticas são as que também estão em alto risco. Basta que existam mulheres que foram abandonadas por seus parceiros após dar à luz um bebê com problemas neurológicos, o governo não precisa abandoná-las também. O governo precisa estar ciente e reconhecer que dar às mulheres contracepção acessível e acessível, juntamente com aborto seguro e legal, é do interesse não apenas das mulheres que precisam desses serviços, mas do próprio governo quando se trata de controlar as epidemias como o vírus Zika que atinge não só essas mulheres, mas o Brasil como país. A longo prazo, o governo deve fornecer apoio financeiro suficiente junto com serviços sociais especialmente para essas mulheres. No curto prazo, o governo deve destruir o habitat dos mosquitos e trabalhar para reunir mais pesquisas sobre o vírus Zika para descobrir como acabar com essa epidemia.


“Pedir às mulheres que evitem a gravidez sem oferecer as informações necessárias, educação, contraceptivos ou acesso ao aborto não é uma política de saúde razoável. Os direitos sexuais e reprodutivos de todas as mulheres, pobres e ricas, devem ser levados a sério. O governo deve oferecer imediatamente um pacote abrangente de assistência à saúde sexual e reprodutiva a todas as mulheres brasileiras, com foco específico naquelas com maior risco de infecção pelo Zika. O Brasil tem algumas das leis de aborto mais rígidas do mundo. O procedimento é legal apenas nos casos em que a vida da mulher corre risco de complicações, ou ela foi estuprada, ou está carregando um feto anencéfalo. O conhecimento de que uma criança sofrerá de problemas neurológicos graves não é motivo para interromper legalmente uma gravidez. Isso não significa que o aborto seja incomum, no entanto.”


Recursos:


1. Diniz, D. (2016, February 8). The zika virus and Brazilian women's right to choose. The New York Times. Retrieved July 24, 2022, from https://www.nytimes.com/2016/02/08/opinion/the-zika-virus-and-brazilian-womens-right-to-choose.html


2. Drillinger, M. (2016, February 19). Sex tips for boring people: Zika virus, big feet, and self-loving on display. Thrillist. Retrieved July 24, 2022, from https://www.thrillist.com/sex-dating/nation/can-you-get-zika-virus-from-having-sex


3 Colvin, L. S. (2021, November 11). What is the zika virus?: Johns Hopkins Medicine. What is the Zika Virus? | Johns Hopkins Medicine. Retrieved July 24, 2022, from https://www.hopkinsmedicine.org/zika-virus/what-is-zika-virus.html



0 visualização0 comentário