• Wandeth Gonzo

Proteção Contra o Mau-Olhado

Atualizado: 13 de set.


O mau-olhado – foi registrado pela primeira vez pela Mesopotâmia cerca de 5.000 anos atrás em cuneiforme em tabuletas de argila. O mau-olhado é pensado como um olhar dado para infligir dano, sofrimento ou alguma forma de má sorte naqueles sobre os quais é lançado. É um olhar que afirma claramente que se pretende que algo de ruim aconteça ao objeto de seu foco, seja por ciúme ou por pura malícia. A superstição do mau-olhado sustenta que o olhar malicioso é poderoso o suficiente para causar um desastre real para a pessoa infeliz que é o receptor do brilho. Acreditava-se que o mau-olhado era a maior ameaça para quem havia sido muito elogiado ou recebido admiração além do que realmente merecia. A pessoa elogiada ficaria tão inchada de orgulho que traria sua própria destruição através do mau-olhado, que se acreditava ser capaz de causar doenças físicas e mentais. Pensava-se que os deuses e deusas estavam punindo aqueles que se tornaram muito orgulhosos de suas realizações e os destruíram com o poder do mau-olhado para restaurá-los ao nível de meros mortais.


A crença no mau-olhado é difundida em todos os continentes. Oriente Médio, Ásia, Europa e América Central temem o mau-olhado e alertam sobre os perigos do mau-olhado e dizem que é preciso tomar banho para neutralizar os efeitos do poder do mau-olhado. Muitas culturas acreditam que receber o mau-olhado causará infortúnio, má sorte ou lesão. Jóias e talismãs mal de ojo criados para proteger contra o mau-olhado também são freqüentemente chamados de "mau-olhado"


Os hindus acreditam que o ciúme está na raiz do poder do mau-olhado, seja na forma de um olhar malicioso ou admirável. Curiosamente, os hindus ensinam que nos momentos de mudança na vida – como durante a puberdade, casamento ou parto – a pessoa é mais vulnerável à ameaça do mau-olhado.


Na América do Sul, o Brasil tem uma superstição equivalente ao mau-olhado conhecido como “olho gordo”. Elogios que são sinceros não são temidos para causar o mau-olhado atacar como em outros países, mas elogios insinceros são pensados ​​para colocar um em risco. O medo do mau-olhado não chegou aos Estados Unidos, exceto na forma de metáfora. Embora a superstição não seja intensa o suficiente para tomar precauções, o mau-olhado é visto como indelicado e um aviso de que a fonte do mau-olhado tem más intenções.


Métodos de proteção contra o mau-olhado

O uso de amuletos de mau-olhado e o transporte de incenso podem proteger contra o mau-olhado. Novas mães guardavam objetos como proteção debaixo de seus travesseiros ou em suas cabeças, e estes incluíam fios vermelhos, pretos ou brancos, um prego, pólvora, pão, sal, alho, um anel, azul índigo ou um par de fivelas de prata. Cada um desses objetos tinha um significado que o tornava uma boa defesa contra o mau-olhado. Por exemplo, a pólvora simbolizava a capacidade de lutar contra o mau-olhado. O prego simbolizava força. O índigo manteve seu poder em sua coloração azul. O sal era um símbolo de preservação e força. O método mais popular de escapar dos efeitos do mau-olhado em muitas culturas é o uso de talismãs de mau-olhado, símbolos de mau-olhado e jóias de mau-olhado. Estes destinam-se a “refletir” o poder do olhar maligno. O desenho mais básico do mau-olhado, predominante no Oriente Médio, é um talismã desenhado com círculos concêntricos azuis e brancos feitos para simbolizar o mau-olhado, conhecido como nazar. É frequentemente usado em casas, veículos ou jóias.


Um dos exemplos mais poderosos do amuleto do mau-olhado no Oriente Médio e na África é o Hamsa, também conhecido como “Mão de Fátima”. O hamsa é um símbolo em forma de mão com o mau-olhado na palma. O hamsa pode ser usado em papel de parede ou joias para afastar o mau-olhado. O hamsa também é encontrado na cultura judaica, onde é conhecido como a “Mão de Deus” ou a “Mão de Miriam”. A popularidade da Cabalá reviveu o hamsa e influenciou sua presença na joalheria e no design.


O significado das cores das contas:

Azul: A cor da proteção contra o mau-olhado. A cor tradicional para o bom carma, energias positivas e proteção contra o mau-olhado.

Azul Claro: Cor do céu – simboliza a verdade e, portanto, fornece proteção direta contra o mau-olhado.


O 'mau-olhado' 'mati' 'ojo turco' 'nazar' a tradição do encanto persiste, para novos bebés, novos negócios, inauguração de casa e até carros novos – qualquer ocasião em que um desejo de 'boa sorte' seja necessário. História real por trás das contas de mau-olhado ou contas de olho da sorte. Por que a conta azul do olho do mal é mais do que apenas um amuleto de boa sorte. Como se livrar do olho ruim de alguém?

Acredita-se que existam três tipos de olhos maus:


1. Os primeiros são maus olhos inconscientes. Estes prejudicam pessoas e coisas, sem querer.

2. O segundo tipo pretende prejudicar.

3. O terceiro é o mal invisível, oculto, que é o mais amedrontado.


Acreditava-se que, este olho viu toda a maldade do mundo e removeu a pobreza e a ignorância. Quando Hórus abriu os olhos o mundo estava iluminado, quando ele fechou, ficou escuro. Do Egito, o talismã do olho se espalhou para o Mediterrâneo, Oriente Médio e Europa. Quando alguém olha para o que é excelente com um olhar invejoso, ele enche a atmosfera circundante com uma qualidade perniciosa e transmite suas próprias exalações envenenadas para o que está mais próximo dele.


A conta reflete a intenção maligna de volta ao espectador. Assemelha-se um pouco a um olho e diz-se que a cor azul típica é um fator de proteção ao usuário. As contas de vidro das ilhas do mar Egeu e da Ásia Menor dependiam diretamente de melhorias na produção de vidro. Quanto à cor azul, ela vem definitivamente da lama esmaltada egípcia, que contém uma alta porcentagem de óxidos; o cobre e o cobalto dão a cor azul quando cozidos.


Um olho azul também pode ser encontrado em algumas formas de joias de mão hamsa, um amuleto em forma de mão apotropaico contra o mau-olhado encontrado no Oriente Médio. A palavra hamsa, também escrita khamsa e hamesh, significa cinco referindo-se aos dedos da mão. Na cultura judaica, o hamsa é chamado de Mão de Miriam; na cultura muçulmana, a Mão de Fátima. O amuleto de Fátima é chamado de Khamsa no mundo muçulmano, da palavra árabe para cinco, e é visto como proteção contra o mau-olhado.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo