Trabalho de Sombra

Atualizado: 6 de fev.


O que é trabalho de sombra?

A sombra é um termo cunhado pelo psicólogo Carl Jung e se refere tanto às nossas feridas mais profundas quanto às partes de nós mesmos que reprimimos ou negamos. Nossas feridas mais profundas nos fazem acreditar que somos pessoas imperfeitas, indignas e indignas. Essas feridas costumam ser criadas na infância, mas às vezes podem se desenvolver mais tarde.


Quando deixadas sem cuidados, essas feridas infeccionam, levando-nos a viver desse lugar de deficiência. Fazer o trabalho da sombra nos permite viver de um lugar de plenitude e expansão. É lançar luz sobre as coisas que preferimos esconder. Aceitar tudo isso e, então, ter a coragem de desenvolver padrões e crenças mais saudáveis.


Qual é a sombra?

A sombra é o “lado escuro” de nossa personalidade porque consiste em emoções e impulsos humanos primitivos e negativos como raiva, inveja, ganância, egoísmo, desejo e a luta pelo poder. Tudo o que negamos em nós mesmos - tudo o que percebemos como inferior, mau ou inaceitável - torna-se parte da sombra. Esse eu sombrio representa as partes de nós que não reivindicamos mais ser nossas, incluindo qualidades positivas inerentes. Essas partes não examinadas ou rejeitadas de nossa personalidade não vão a lugar nenhum. Embora os neguemos em nossa tentativa de expulsá-los, não nos livramos deles. Nós os reprimimos; eles fazem parte do nosso inconsciente. Pense no inconsciente como tudo de que não temos consciência. Não podemos eliminar a sombra.

O que acontece quando você reprime sua sombra?

Quaisquer qualidades que negamos em nós mesmos, vemos nos outros. Em psicologia, isso é chamado de projeção. Projetamos nos outros tudo o que enterramos dentro de nós. Essas projeções distorcem a realidade, criando uma fronteira espessa entre como nos vemos e como nos comportamos na realidade.

Conforme você integra seu lado sombrio e chega a um acordo com sua metade mais escura, você se vê com mais clareza. Quando você pode aceitar suas próprias partes mais escuras, é mais fácil aceitar a sombra dos outros. Ao ver os outros e a si mesmo como você é, você terá uma lente mais limpa para ver o mundo. Você verá outras pessoas e avaliará situações com maior clareza, compaixão e compreensão. É um trabalho exaustivo reprimir e suprimir continuamente todas as partes de nós mesmos que não queremos enfrentar na idade adulta.

Então, como você se engaja no Shadow Work?

1) Centre-se: A sombra representa um agrupamento de várias partes ocultas dentro de sua psique. Somente a partir do seu Centro você pode conhecer essas partes.

2) Cultive a Autocompaixão: Sem amizade e autocompaixão, é difícil olhar para as nossas coisas mais sombrias. Se você é duro consigo mesmo quando comete erros, é difícil enfrentar sua sombra. Se você está acostumado a sentir vergonha ou culpa, precisa transmutar essas emoções com amizade, autoaceitação e autocompaixão. Comece aceitando sua própria humanidade e seja gentil consigo mesmo.

3) Cultive a autoconsciência: ver a sombra requer uma mentalidade autorreflexiva - a capacidade de refletir e observar nossos comportamentos, pensamentos e sentimentos.


4) Seja corajosamente honesto: muitas vezes é desconfortável chegar a um acordo com as partes rejeitadas, e é por isso que o ego investe tanta energia para reprimi-las. Examinar com honestidade suas atitudes, comportamentos, pensamentos sombrios e emoções exige coragem.

5) Registre suas descobertas: Um diário escrito onde você registra suas novas descobertas sobre você é um remédio. Escrever seus insights e revisá-los mais tarde ajuda a codificar a descoberta em sua consciência. Anote o que você sonha para que, quando isso escapar da sua mente, momentos depois de acordar, nossas partes rejeitadas possam nos iludir, você pode tentar se lembrar disso.


Robert Moore delineou a estrutura da psique em termos arquetípicos. Moore sugere que os quatro arquétipos primários da psique são o Rei, o Guerreiro, o Mago e o Amante. Cada arquétipo possui qualidades que definimos como os melhores atributos da idade adulta madura. Cada arquétipo construtivo, existe uma sombra destrutiva.

Por exemplo, as sombras do Rei são o Tirano e o Fraco. As sombras do Guerreiro são o Sádico e o Masoquista.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo